A maioria das empresas, hoje, possui todas as suas informações mais importantes e sigilosas na rede. Ainda que sejam dados cadastrais, perdê-los pode significar muito prejuízo.

Aproveitando-se desse risco, hackers desenvolveram um vírus chamado Ransomware, que age como administrador e bloqueia ações e arquivos.

Os hackers encontraram nesse vírus a chance de invadir empresas mais vulneráveis e roubar seus dados sob ameaças de resgate.

Preocupadas com a segurança de seus arquivos então bloqueados, algumas instituições acabam por aceitar essas condições, no anseio de ter os seus dados e o próprio controle do sistema de volta.

Abaixo, saiba mais sobre esse software perigoso e fique atento às medidas de proteção!

Boa leitura!

Como ocorre esse processo de “sequestro” de arquivos?

A própria etimologia da palavra ransomware significa um misto de resgate e software malicioso, ou seja, a criação do vírus já teve essa finalidade.

Como já dissemos, ele entra no sistema e rapidamente toma o controle das ações e arquivos.

Depois disso, os responsáveis por esse crime entram em contato para exigir quantias de dinheiro em troca da administração da rede invadida.

Infelizmente, não é nada fácil detectar essas pessoas e também não há como ter garantias em relação à liberação após o pagamento do resgate.

Os tipos de ransomware

Para classificar esse vírus, podemos dividi-lo em três tipos: criptográfico, lock-screen e scareware.

    • Criptográfico: usa de criptografia, como o nome já diz, para bloquear os arquivos e entrega a senha após o pagamento. O maior problema é que sem a posse das senhas podem ser necessários anos para decodificar os dados.
    • Lock-Screen: trava a tela do computador e exige o pagamento. Diferente do primeiro, essa forma é um pouco mais simples de recuperar.
    • Scareware: reproduz uma falsa infecção no computador, com isso sugere o download de um falso antivírus, que libera ou um malware ou exige um pagamento de resgate.

Além dos tipos, há também os vírus específicos, divididos em várias famílias. Por exemplo, o “Wanna Cry” foi utilizado em um grande ataque mundial em maio de 2017, em computadores do governo, por meio da técnica phishing.

Como esse vírus atua?

Para que ocorra a infecção, o vírus é enviado por e-mail, e ao receber o clique ele inicia o ataque.

Com o auxílio de processos como CMD.EXE, POWERSHELL E VSSADMIN, o ransomware procura se transformar em administrador.

Primeiro no computador e depois em todo o servidor, no caso de empresas.

Assim é feito o contato para pedido de resgate e a tentativa constante de infectar mais computadores.

Como adquirir proteção contra esse tipo de vírus

Sem dúvida, é preciso manter a sua equipe informada de e-mails maliciosos e se preparar para esse tipo de situação.

Investir em segurança da informação, por meio de contrato com profissionais, pode ser crucial para que essas terríveis situações não aconteçam.

Viu como o ransomware é prejudicial? Tenha em dia as medidas de segurança necessárias para evitar esse contexto e invista sempre em um apoio profissional.

Interessado? Descubra como te ajudamos.

Veja também: Os riscos de usar software pirata

Veja também: Case de sucesso em Disaster Recovery